Houve uma ação violenta que durou horas. Mais precisamente, 3 horas. Laudo mostra lesões detalhadas e passo a passo de como o menino foi assassinado.


Peritos criminais e legistas que analisaram o local da morte do menino Henry Borel Medeiros, 4 — o apartamento de alto padrão na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, onde sua mãe, Monique Medeiros, vivia com seu padrasto, o vereador Dr. Jairinho —, apontam indícios de que ali ocorreu o crime de homicídio.

Pelas conclusão pericial, ficou descartada a possibilidade de um acidente doméstico, versão apresentada por Jairinho e Monique, hoje tido como suspeitos. A altura da cama e as dezenas de lesões encontradas no corpo do menino fizeram com que os legistas chegassem à conclusão de que houve uma ação violenta que durou horas. Mais precisamente, 3 horas.

Veja, abaixo, o passo a passo, feito em reprodução simulada pelos peritos, das versões apresentadas por Monique e por Jairo, que fizeram a perícia acreditar que os dois mentiram.












Em tempos de "censura" com o jornalismo independente precisamos da ajuda do nosso leitor para nos manter online. Agora você pode apoiar o Amazon Presse através do PIX: 32.688.550/0001-31. Colabore!
Postagem Anterior Próxima Postagem