Conforme investigação da PF, vítimas foram mortas a tiros. Equipes foram enviadas à cidade para garantir proteção de indígenas e povos tradicionais durante operação da SSP.




Três corpos de ribeirinhos, mortos a tiros, foram encontrados na região do Rio Abacaxis, em Nova Olinda do Norte, interior do Amazonas, nesta terça-feira (11), de acordo com investigação da Polícia Federal. A identidade das vítimas ainda não foi confirmada. Com a confirmação, sobe para seis o número de mortes ocorridas na região nas últimas semanas, onde a Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM) realiza operação para combate ao tráfico de drogas.


A PF enviou, na segunda-feira (10), uma equipe ao município de Nova Olinda Norte, no interior do Estado, para apurar denúncias relacionadas a operação policial realizada na região. O objetivo, conforme ordem judicial, é garantir a proteção de indígenas e povos tradicionais.


A operação foi iniciada na região depois de uma pessoa ter sido atingida com um tiro, no dia 24 de julho. No primeiro dia da operação, no dia 3 de agosto, dois militares foram mortos e outros dois ficaram feridos. No dia 5, outra pessoa foi morta, de identidade ainda não confirmada. Já os três corpos que foram encontrados nesta terça, haviam sido notificados na segunda-feira (10) pela Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM).


Segundo a SSP, os policiais mortos no dia 3 de agosto realizavam o trabalho de investigação de tráfico de drogas e formação de milícia armada nessa região. Eles foram vítimas de uma emboscada por membros do grupo criminoso. Segundo o órgão, as equipes estão em diligência para resgatar os mesmos na região. Não informaram, no entanto, a quantidade de vítimas, ou a identidade delas.


O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Ayrton Norte, embarcou no dia 4 com reforço policial para uma nova operação policial na região. As equipes também fazem buscas aos suspeitos dos crimes.



Decisão Judicial

A operação no Rio Abacaxi acontece após a Justiça Federal atender a um pedido do Ministério Público Federal (MPF), determinando que a PF adote medidas cabíveis para proteção dos indígenas e populações tradicionais do município e região, considerando as fronteiras com Borba e Maués.


A decisão foi proferida após ação ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF), por conta de supostos abusos e ilegalidades relatados pelos comunitários que moram ou circulam no local.


A decisão judicial também determina que o Estado do Amazonas não impeça a circulação dos povos indígenas e ribeirinhos na região, que faz parte dos Projetos de Assentamento Agroextrativistas (PAEs) Abacaxis I e II, nos municípios amazonenses de Borba e Nova Olinda do Norte. Em caso de descumprimento, foi estabelecida pena de multa diária de R$ 100 mil ao Estado.

Via G1
Postagem Anterior Próxima Postagem