O deputado Sinésio Campos (PT) voltou a cobrar a criação de uma delegacia especializada à investigação e combate de crimes cibernéticos como golpe para extorsão, injurias, ameaças e, sobretudo, a prática de Fake News (notícias falsas). A manifestação foi feita em pronunciamento durante a Sessão ordinária realizada pela Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), na manhã desta quinta-feira (16). “Não existe uma pessoa, no Brasil, que direta ou indiretamente não tenha sido afetada ou sofrido alguma forma de prejuízo em decorrência de Fake News. A liberdade de expressão não pode se caracterizar como impunidade”, disse Sinésio Campos.

O parlamentar lembrou a atuação que vem desempenhando para combater a prática no Amazonas. Ele é autor do Projeto de Lei (PL) que criou o Dia Estadual de Conscientização e combate à fake news, celebrado em 24 de março. Lei que visa a conscientização das pessoas sobre evitar notícias falsas, produzidas e disseminadas, de forma irresponsável que podem prejudicar ou beneficiar alguém com postagem em redes sociais.

O deputado também é autor da proposta, na forma de requerimento, para criação, pelo Governo do Estado, de uma Delegacia Especializada em crimes cibernéticos e virtuais no Amazonas. Proposta apresentada e aprovada em junho deste ano na Aleam. Mas, em resposta ao requerimento, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) informou a existência de apenas, no âmbito estadual, de uma Delegacia Interativa de Polícia Civil, a qual investiga, dentre outras ocorrências, os delitos cometidos por meio do uso de computadores ou da intemet. “Não existe uma delegacia especializada em investigação e combate à produção de Fake News. O que existe, desde 2017, é um pequeno espaço na Delegacia Geral que atua nesta área, sem estrutura adequada como espaço físico, equipamentos e pessoal. Entendo a falta de estrutura para o combate como estímulo à impunidade”, declarou.

O deputado enumerou que somente no mês de junho de 2020 foram registrados 18.485 denúncias contra crimes cibernéticos segundo a Delegacia Interativa. Em 2019 foram 1,627 registros. Um crescimento de 23% em relação a 2018. “Mas esses são números subnotificados, porque boa parte das vítimas não apresenta denuncia por desconhecimento de uma delegacia e, até mesmo de que trata-se de crime”, explicou.

Os casos mais comuns, relatados pela Secretaria de SSP, são atentados contra honra ou reputação (difamação), falsa identidade, ameaça, estelionato, injuria e invasão de dispositivo de informática (computadores). “As fake news são um instrumento maligno que atinge todas as classes sociais. Os setores político, econômico e o cidadão em geral são vítimas diariamente de trotes, falsas notícias e, até mesmo, difamação, calunias e ofensas. Não importando, aos que praticam esse crime, se as pessoas são pais e mães de famílias e que têm honra e dignidade a preservar”, destacou.

Os estados onde já existem delegacias especializadas são Bahia, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Sul, São Paulo, Sergipe, Rio de Janeiro e Tocantins. “É incompressível que em Manaus, onde está o polo produtor de informática se ressinta de uma delegacia especializada para o combate à crimes cibernéticos. Vou continuar cobrando do Governo do Estado providências. Fake News são o mal do século que precisa ser banido. Por isso defendo celeridade do Governo do Estado na criação da Delegacia Especializada”, finaliza Sinésio.

Via Assessoria de Imprensa 
Em tempos de "censura" com o jornalismo independente precisamos da ajuda do nosso leitor para nos manter online. Agora você pode apoiar o Amazon Presse através do PIX: 32.688.550/0001-31. Colabore!
Postagem Anterior Próxima Postagem