Na manhã desta terça-feira (7), durante a Sessão hibrida da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), o deputado Dermilson Chagas (Podemos), denunciou o superfaturamento na compra de 240 aparelhos de ar condicionado no valor de R$ 1.915,332, 80. A aquisição faz parte de um contrato – com dispensa de licitação – feito pela Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra) com a empresa RR Construções e Transportes LTDA para recuperação do Hospital e Pronto Socorro João Lúcio.

De acordo com Dermilson, na dispensa de licitação de n°00426/2020 do contrato n° 019/2020 mostra que o Governo do Amazonas comprou da empresa escolhida RR Construções, 240 aparelhos de ar condicionado, de 12, 24 e 36 mil BTUs, todos sem instalação, no valor de R$ 1.915,332, 80. O parlamentar diz que no mercado, os mesmos modelos saem por R$ 872.960,00. “Ou seja, temos um ágio de 120%. Se o Estado optasse em comprar com o valor de mercado, economizaria cerca de R$ 1.042,372, 08. Infelizmente o governo continua com sua péssima mania de superfaturar produtos neste período de pandemia causada pelo coronavírus. Não toma vergonha na cara”, criticou.

Após debruçar mais sobre o contrato da empresa com o Estado, Dermilson constatou outros gastos superfaturados para a recuperação do hospital. Segundo ele, consta no documento que a empresa também irá fazer a construção de uma estação de tratamento de efluente no valor de R$ 830 mil. “Pude verificar com o Sindicato das Indústrias da Construção Civil de Manaus que o valor normal cobrado para obra é de R$ 218.400,00. Outro ágio de 280%. Isso é um absurdo, não podemos ficar com calado com a farra do dinheiro público. Não é à toa que a Polícia Federal está realizando operação e deflagrando o desvio da verba pública. E o pior, que nem com isso, o governo não se manca e para com essa mania feia que resulta em cadeia”, afirmou.

Além disso, Dermilson criticou também a quantidade de cabos elétricos que está previsto para troca. Segundo deputado, no contrato é solicitado a substituição de 100 Km de linha de força. “Isso é quase a quantidade de quilômetros de distância de Manaus para Presidente Figueiredo. Um absurdo a forma de como estão conduzindo esse contrato com dispensa de licitação, pois não sequer uma informação de parâmetro adotado para essa tamanha quantidade. A roubalheira tá solta neste governo. E não podemos ficar calados, denunciarei esse caso ao Ministério Público do Estado (MPE) para que sejam tomadas medidas quanto a isso”, ponderou.

Via Assessoria de Imprensa 

Postagem Anterior Próxima Postagem