De acordo com o ‘Jornal da Record’, o último contrato com a empresa de táxi aéreo venceu em julho do ano passado, mas o Estado continuou a pagar pelos serviços sem licitação




O programa ‘Jornal da Record’, da Rede Record de Televisão, divulgou nesta terça-feira (12) reportagem sobre pagamento de aluguéis de aeronaves pelo governo do Estado. Segundo a reportagem, com apenas dois anos de mandato o governador Wilson Lima (PSC) já gastou R$ 7 milhões do dinheiro público por serviços de uma empresa de táxi aéreo, sendo que a maioria dos contratos foi assinado sem licitação.


Segundo a reportagem, entre janeiro e fevereiro deste ano, um jato de luxo foi alugado duas vezes por R$ 700 mil.

O jornal mostrou, em seguida, vídeo com imagem de uma aeronave que, segundo a matéria, pertence a empresa Rico Taxi Aéreo. “A empresa recebeu quase R$ 7 milhões entre alugueis de aviões sem licitação e despesa feitas por administrações anteriores em 2018. A companhia fretou aeronave para campanha eleitoral de Wilson Lima e, um dia depois de assumir o comando do Estado do Amazonas, o governador ordenou o primeiro pagamento no valor de R$ 1 milhão por serviços prestado em 2017”, afirmou a reportagem.

De acordo com o ‘Jornal da Record’, o último contrato com a empresa de táxi aéreo, venceu em julho do ano passado mas a gestão Wilson Lima continuou contratando serviços da Rico Linhas Aéreas em pagamento de contrato firmado sem licitação.




“Foram pelo menos R$ 3,7 milhões por dez voos. Só neste ano, a empresa foi contratada pelo menos três vezes; em janeiro, foi alugado um avião (modelo) Caravan anfíbio – que pousa na água – em que mais de R$ 25 mil foram pagos por 15 horas de voo. Ainda em 2020, o governador Wilson Lima alugou por duas vezes um jato de luxo com capacidade para oito pessoas e pagou quase R$ 700 mil”, consta na matéria.


A reportagem da Record ouviu, ainda, o cientista política Breno Leite que condenou o que chamou de “troca de favores à custa do dinheiro público”. “Boa parte do nosso empresariado ainda é muito refém do Estado brasileiro. O Estado é muito grande, distribui bem os recursos e os grande parte dos negócios dependem do financiamento público”, disse o cientista.



Em nota encaminhada ao ‘Jornal da Record’, o governo do Amazonas afirmou que as viagens de avião seguiram compromisso oficial do governador e do vice-governador e que “entre os passageiros estavam autoridades da comitiva, assessoria de imprensa e seguranças”.

Ainda conforme o governo, todos os contratos firmados com a empresa Rico tiveram as despesas comprovadas e atestadas, e que os pagamentos foram publicados no Portal da Transparência e no Diário Oficial do Estado.

Postagem Anterior Próxima Postagem