Simone Papaiz foi convocada pela Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM) para prestar esclarecimentos das ações para combater a pandemia no Estado



Após resistir em participar de Sessão Ordinária da Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM), a secretária de Estado de Saúde, Simone Papaiz, está sendo ouvida, nesta quarta-feira (22), em audiência pública com deputados estaduais para prestar esclarecimentos aos parlamentares sobre a atuação da secretaria em meio a pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Nos primeiros questionamentos feitos pelos parlamentares, foi cobrado plano de ação da Secretaria de Estado de Saúde (Susam) para combater a Covid-19. Segundo Wilker Barreto (Podemos), este é o principal tema da audiência.

Na apresentação inicial, Simone afirmou que busca entendimento com todos os setores, tanto da rede privada quanto da rede pública de saúde. Segundo a secretária, o Amazonas precisa ter cinco ou seis vezes mais médicos intensivistas para atender a demanda atual.

O deputado Serafim Corrêa (PSB) questionou a opinião da secretária sobre qual modelo ela prefere: Sistena Único de Saúde (SUS) ou Organização Social (OS) para administrar unidades de saúde. O parlamentar também cobrou de Simone o cronograma de pagamentos da Susam para os profissionais médicos e enfermeiros que, segundo o deputado, chegaram a passar cinco meses sem receber devidos salários.


Daqui a pouco a secretaria irá responder os questionamentos.



Habeas corpus

No último dia 17, o desembargador do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), Jomar Ricardo Saunders Fernandes, negou habeas corpus preventivo da secretária de Estado de Saúde, Simone Papaiz, no qual pedia para não comparecer à audiência.

Na decisão, o desembargador afirma ter sido oferecida a secretária de Saúde a possibilidade de escolher a data mais conveniente para a realização da reunião, entre 13 e 17 de abril, ou seja, houve a devida flexibilidade para que Simone pudesse programar sua agenda profissional e adaptar os compromissos previamente assumidos.


Ademais, foi destacado que o evento seria realizado virtualmente, possibilitando que as informações e esclarecimentos fossem prestados de qualquer lugar onde estivesse. Diante deste cenário, em juízo perfunctório, não vislumbro que a paciente (a secretária de Saúde) esteja na iminência de sofrer violação ao seu direito à liberdade de locomoção”, escreveu o magistrado.

No requerimento que pede o comparecimento de Simone, os deputados Wilker Barreto e Dermilson Chagas, solicitam a apresentação de estratégias de combate e contenção ao coronavírus, bem como para que prestasse esclarecimentos acerca dos número de leitos de UTI disponíveis, quantitativo de respiradores e fornecimento de equipamentos de proteção individual aos profissionais de saúde.


*Mais informações em instantes

Postagem Anterior Próxima Postagem