Ação aconteceu após pedido do próprio hospital à Marinha do Brasil


Militares das Forças Armadas, por meio do Comando Conjunto da Amazônia, vinculado ao Ministério da Defesa, realizaram, neste sábado (4), operação de descontaminação de enfermaria e ambulâncias do Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, na zona Centro-Sul de Manaus. O procedimento faz parte de ação para inibir a contaminação pelo novo coronavírus.

A ação, que contou com o envolvimento de sete oficiais e 46 praças, aconteceu após um pedido do HPS 28 de Agosto, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (Susam), à equipe do Comando 9º Distrito Naval. A solicitação foi encaminhada à Equipe Resposta Defesa Nuclear, Biológica, Química e Radiológica (NBQR) para realizar a descontaminação.

“A solicitação partiu do próprio hospital, que encaminhou ofício direto para o 1º Batalhão . De posse desse ofício, remeti essa necessidade ao Comando do Distrito, que repassou para o Comando Conjunto Amazônia. A partir desse momento, tendo autorização para executar, viemos na manhã de ontem aqui no hospital, fizemos o reconhecimento para poder dimensionar a quantidade de material, de pessoal, dimensionar a área e estimar o tempo necessário para realizar a atividade”, afirmou o capitão de fragata, André Guimarães, comandante do 1º Batalhão de Operações Ribeirinhas, da Marinha do Brasil.


O processo de descontaminação garante que pacientes e trabalhadores do HPS 28 de Agosto continuem seguros e protegidos do vírus. “A gente construiu uma equipe reforçada diante do tamanho do hospital e teremos uma parcela realizando as descontaminação da enfermaria, uma outra fazendo uma descontaminação de uma ambulância, que eles tem utilizado para transportar as pessoas com suspeita de Covid-19”, afirmou Guimarães.

Após a ação, funcionários que realizam a limpeza geral do hospital foram orientados pelos militares para que os locais permaneçam limpos e desinfectados.





Amazonas tem 311 casos confirmados do novo coronavírus e 12 óbitos


Fotos: Maurílio Rodrigues/Secom

O Amazonas registrou 51 novos casos do novo coronavírus, de sexta para sábado, portanto já são 311 o número de infectados no Estado, com 12 óbitos. Conforme balanço feito pela diretora-presidente da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM), Rosemary Costa, durante live na tarde deste sábado (04), são 283 casos em Manaus e 28 no interior. O governador Wilson Lima participou da live e reforçou o apelo em favor do isolamento domiciliar.

A maioria dos casos confirmados (91%) está em Manaus. Parintins tem três casos e um óbito; Manacapuru dois casos e um óbito; Santo Antônio do Iça e Itacoatiara têm quatro casos cada; Tonantins tem três casos; Anori, Boca do Acre, Novo Airão e Careiro da Várzea permanecem com um caso cada.

Entre os infectados, 211 pacientes permanecem em isolamento domiciliar, o que representa 67,8% dos casos. “Nós temos 42 pacientes que já saíram do período de transmissão e temos 1034 amostras coletadas que estão aguardando resultados do Lacen, portanto, permanecem em investigação”, completou, Rosemary Costa.

Foram notificados 25 óbitos com suspeita de Covid-19. Destes, 12 foram confirmados, o que dá ao Amazonas uma taxa de letalidade de 3,86%. A variação de idade vai de 40 a 89 anos. Foram descartados oito óbitos e quatro estão em investigação.

Em relação às internações, neste sábado, são 46 pacientes internados (14,79% dos casos) com confirmação laboratorial para o novo coronavírus. Destes, 21 estão em leitos clínicos e 25 em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) – 17 na rede privada e oito no hospital Delphina Aziz, da rede pública.

O governador Wilson Lima esclareceu que nem todos os pacientes que ocupam leitos no Hospital Delphina Aziz têm diagnóstico confirmado do novo coronavírus. Além dos oito pacientes confirmados que estão na UTI, há outros 46 internados com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) causada por outros vírus sazonais.

“Não significa necessariamente que essas pessoas estejam com Covid, elas fizeram o teste, a gente está esperando o resultado. De qualquer forma, 46 delas estão ocupando leito de UTI lá no Delphina Aziz, o que acaba aumentando essa taxa de ocupação e todo esse avanço e também os números que tivemos nas últimas horas, nos deixaram bastante preocupados com a quantidade de pessoas que procuraram a unidade”, frisou o governador.

Segundo a diretora-presidente da FVS-AM, de 2238 testes feitos até o momento pelo Lacen,12% deram positivo pra Covid-19. Portanto, conforme ela, os outros que estão sintomáticos, que não são Covid, devem ter alguns dos vírus respiratórios que estão em circulação no estado, principalmente influenzas A e B, metapneumovírus, adenovírus e vírus sincicial respiratório.

Além de ressaltar a necessidade das pessoas permanecerem em casa, Rosemary Costa recomendou que as mesmas usem máscaras se saírem na rua. “Nós já percebemos que temos efetividade nessa medida, que está sendo recomendada tanto pela OMS (Organização Mundial de Saúde) quanto pelo Ministério da Saúde. Quem não sabe como fazer sua máscara entra no site no Ministério da Saúde que lá tem todas as orientações pra fabricação de sua máscara caseira, mas use uma máscara principalmente se você precisar sair de casa”, afirmou.




Via Secom
Postagem Anterior Próxima Postagem