O aumento de 33 para 44 casos de coronavírus, causador da Covid-19, desta quinta-feira (23) para esta sexta-feira (24), no município de Tabatinga (distante 1108 km de Manaus em linha reta), está levando ao desespero o coordenador da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai-Tabatinga), devido a superlotação no Hospital de Guarnição do Alto Solimões e da UPA, que está com sua capacidade máxima.

A informação chegou ao conhecimento do deputado estadual Cabo Maciel (PL), que voltou a acionar a Secretaria de Estado de Saúde (Susam) a redobrar a atenção e apoio para a população do Alto Solimões. Os números oficiais serão repassados do Gabinete de Gestão Integrada de Fronteira – (GGIFRON), para Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM).

Para o parlamentar a situação está fora de controle e o Hospital de Guarnição já colapsou. Agora, a preocupação da coordenação do Sesai é que as comunidades indígenas de Fejoal, Solimões de Belém e Umariaçu I e II não venham a se transformarem em focos da doença.

Hoje, Tabatinga já contabiliza 44 casos, Benjamim Constant (distante 1.119 km da Capital), 13 casos, Santo Antônio do Iça (880 km), 11 casos e São Paulo de Olivença (994 km), 17 casos. Cabo Maciel volta a fazer um apelo aos moradores de Tabatinga, Benjamim Constant, Atalaia do Norte (1.136 km), Santo Antônio do Iça, São Paulo de Olivença e demais comunidades da região que fiquem em casa, sobretudo aos indígenas para que também fiquem nas aldeias.

Via Assessoria de Imprensa 
Postagem Anterior Próxima Postagem