Mais de 200 focos de queimadas foram registradas no Amazonas entre Janeiro e Fevereiro de 2020.


Em janeiro e fevereiro de 2020, 270 focos de queimadas foram registradas no Amazonas, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O número é o maior que os últimos três anos em todo o estado.


Em janeiro de 2020, 197 casos de focos de incêndio foram registrados. Já em fevereiro, foram 73 focos contabilizado pelo Inpe.


O número, segundo o levantamento feito pelo Inpe, representa o maior índice registrado desde 2016, quando o recorde de 906 focos foi constatado. Nos anos seguintes, foram 83 em 2017, 139 em 2018 e 125 em 2019, no período entre janeiro e fevereiro.
Queimadas registradas no Amazonas entre janeiro e fevereiro



O que diz o Governo

A Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) informou que monitora diariamente os dados de focos de calor disponibilizados pelo Inpe, por meio da Sala de Situação da Sema, e que ações de prevenção estão sendo reforçadas desde o início do ano, com o objetivo de reduzir os índices de queimadas no Amazonas.


"É importante destacar que janeiro de 2020, responsável pelo aumento do índice total do bimestre - com aumento de 35 para 197 focos de calor, em relação ao mesmo período do ano passado -, registrou em paralelo uma anomalia na quantidade de chuvas, o que favorece as atividades de roçado, limpezas de terrenos e, também, ações ilegais", informou.


A Sema destacou que, por outro lado, o mês de fevereiro contou com índices pluviométricos dentro do esperado para o período e registrou queda de 19% no número de focos de calor, em comparação a fevereiro de 2019, quando os registros chegaram a 90. A Secretaria destacou que, com a redução no número de queimadas, o Amazonas ocupa a 4ª posição no ranking da Amazônia Legal, ficando atrás do Mato Grosso, Roraima e Pará.


Em janeiro, ainda conforme a Sema, o Comitê de Combate às Queimadas e Desmatamento Ilegal no Amazonas, coordenado pela Sema, iniciou as reuniões de alinhamento entre os órgãos ambientais, com o objetivo de discutir as primeiras estratégias de prevenção e combate às queimadas para 2020. Na terça-feira (3), as Unidades de Conservação receberam R$ 125 mil em equipamentos para auxiliar no combate em campo às queimadas e incêndios florestais.



Maior número de focos de incêndio registrado em 2019

Mais de 12 mil focos de queimadas foram registradas no Amazonas durante o ano de 2019, segundo o levantamento feito Inpe. O número foi o maior dos últimos quatro anos em todo o estado. O ano também registrou um recorde de queimadas em apenas um mês e uma operação com apoio Federal para combate aos focos foi feita.
O mês de 2019 com maiores focos registrados pelo Instituto foi agosto, com mais do que a metade dos registros totais durante o ano, com 6.669. A quantidade de queimadas registrada neste mês também foi o maior índice em apenas um mês em todos os registros divulgados pelo Inpe desde 1998, quando o levantamento começou a ser feito pelo órgão.


Em seguida, o mês de setembro aparece, com 3.026 focos de queimadas registradas. Já os meses de abril e maio de 2019 foram os que menos tiveram registros, com 10 e 21 casos, respectivamente.


Ainda segundo o levantamento feito pelo Instituto, os dois primeiros meses de 2020 já tiveram 270 focos de incêndio registrados até o sábado (29).


Emergência e operação de combate

O Governo do Amazonas decretou situação de emergência no Sul do Estado e na Região Metropolitana de Manaus por conta do impacto negativo do desmatamento ilegal e queimadas não autorizadas, no dia 2 de agosto.


No fim de agosto, quando o recorde de queimadas em apenas um mês foi registrada, 800 agentes - de órgãos ambientais e de comando e controle do Amazonas - foram enviados para o Sul do Estado para realizar a Operação "Curuquetê". O Exército Brasileiro também enviou 1,3 mil homens para cinco estados na Região Norte, como forma de auxílio para o combate aos focos.




Via G1
Postagem Anterior Próxima Postagem