Wilson Lima acompanhou início das remessas; campanha começa na segunda-feira (23/03). Decretado emergência na saúde e aulas estão suspensas por 15 dias na rede estadual do AM


A Secretaria de Estado da Saúde (Susam) recebeu neste fim de semana as primeiras doses de vacina para a Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza, que inicia na próxima segunda-feira (23/03) e vai até 22 de Maio de 2020. Na manhã dessa segunda-feira (16/03), o governador Wilson Lima esteve na Susam para acompanhar o início da distribuição de vacinas para a capital e municípios.

Na programação da coordenação estadual do Programa Nacional de Imunização (PNI), além de Manaus, os municípios de Autazes, Maués, Humaitá, Jutaí e Anori estão programados para receber as primeiras doses nesta segunda-feira. Durante toda a semana, outros municípios estarão retirando seus lotes na Susam para iniciarem a vacinação contra a gripe.

De acordo com o governador, o primeiro lote de vacinas é para atender ao público acima de 60 anos, além de profissionais de saúde. Esse ano, o Ministério da Saúde (MS) antecipou a campanha para todo o Brasil e a dividiu em três fases, contemplando grupos prioritários distintos em cada uma delas. Na primeira fase da campanha serão vacinados idosos e trabalhadores da saúde, com os demais grupos vindo em seguida.

“O Ministério da Saúde está antecipando a campanha de vacinação contra a Influenza. Nós recebemos um lote no fim de semana que vai atender principalmente aos idosos, aquelas pessoas que têm acima de 60 anos. O material que recebemos previne contra três vírus gripais. É importante que essa população idosa se vacine, porque no momento em que ela está imunizada, quando apresenta qualquer sintoma de síndrome respiratória, fica fácil diagnosticar se é, por exemplo, o coronavírus (Covid-19). Daí a necessidade de que todos nessa faixa etária a partir de 60 anos vão a uma Unidade Básica de Saúde e tomem sua vacina”, reforçou Wilson Lima.

Próximas fases – A segunda fase da campanha começa em 16 de abril para professores das escolas públicas e privadas e profissionais das forças de segurança e salvamento. Na última fase, que começa em 9 de maio, será vez das crianças de 6 meses até menores de 6 anos, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, gestantes, puérperas, povos indígenas, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional e adultos de 55 a 59 anos de idade.

Este último grupo (55 a 59 anos) é a novidade para esse ano. Visando ampliar o acesso à vacinação dos grupos mais vulneráveis, as pessoas de 55 anos a 59 anos de idade também serão vacinadas.

De acordo com o secretário estadual de Saúde, Rodrigo Tobias, foram recebidas, inicialmente, 216 mil doses de vacinas para a primeira fase da campanha. O MS já programou para os próximos dias o envio de mais 14 lotes para as próximas fases.

“Houve a antecipação da campanha, a totalidade de vacinas de que o país inteiro precisa ainda não está disponível. O laboratório entregou o primeiro lote, em função de os idosos serem os mais suscetíveis, que agravam com quadros de Influenza, então o foco é vacinar primeiro esses pacientes idosos acima de 60 anos”, disse.

Influenza x Covid-19 – O Ministério da Saúde tomou a decisão de realizar a Campanha de Vacinação Contra a Influenza com um mês de antecedência (historicamente acontecia em abril) em razão da evolução do Covid-19 em outros países e da confirmação de casos no país, apesar desta vacina não prevenir contra o novo vírus.

O objetivo é proteger a população contra a Influenza e, sobretudo, minimizar o impacto sobre os serviços de saúde. Destaca-se que os sintomas da Influenza são semelhantes aos do Covid-19, e essa antecipação visa reduzir a carga da circulação de Influenza na população.

“Com relação ao coronavírus, existe uma grande vantagem de a pessoa estar vacinada porque, primeiro, ela está vacinada contra uma doença grave, que são os vírus da Influenza, que podem agravar e podem chegar a matar e, segundo, porque na eventualidade de uma infecção pelo Covid-19, fica mais fácil descartar que aquele paciente não tem Influenza, porque ele está protegido, está vacinado”, ressaltou a diretora-presidente da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), Rosemary Costa Pinto.

Público-alvo – No Amazonas, o público-alvo total da campanha de Vacinação Contra a Influenza é de 1.241.291 pessoas dos grupos prioritários definidos pelo Ministério da Saúde. A meta é vacinar, no mínimo 90% desse público. O Dia “D” de mobilização nacional será 9 de Maio.

O público-alvo abrange crianças de 6 meses a menores de 6 anos (5 anos, 11 meses e 29 dias), trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, professores, povos indígenas, indivíduos de 55 anos a 59 anos de idade, indivíduos de 60 anos ou mais de idade, população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas, forças de segurança e salvamento.

Fazem parte ainda do público-alvo as pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais – doença respiratória crônica, doença cardíaca crônica, doença renal crônica, doença hepática crônica, doença neurológica crônica, diabetes, imunossupressão, obesos, transplantados, portadores de trissomias (Síndrome de Down, Síndrome de Klinefelter, Sídrome de Wakany, dentre outras trissomias).



Wilson Lima decreta situação de emergência na saúde pública do Amazonas e anuncia novas medidas de prevenção ao Covid-19

Suspensão das aulas da rede estadual em Manaus está entre as determinações do decreto


O governador do Amazonas, Wilson Lima, assinou, nesta segunda-feira (16/03), decreto de situação de emergência na saúde pública do Amazonas. O decreto, com vigência de 120 dias, determina novas medidas adotadas pelo Governo do Estado para fortalecer o trabalho de prevenção e controle do novo coronavírus (Covid-19), já iniciado no Amazonas.

Em pronunciamento nas redes sociais, em que respondeu questionamentos dos jornalistas e outros internautas, Wilson Lima anunciou a suspensão das aulas nas escolas da rede estadual de ensino da capital; além do Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (Cetam), Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e Fundação Universidade Aberta da Terceira Idade (FUnATI).

“Ficam suspensas as atividades letivas na capital por 15 dias. Conversei com o Luís Fabian, da Secretaria de Educação e Desporto do Amazonas, para que encontremos outra maneira de fazer com que essas aulas sejam ministradas para estes alunos, através, por exemplo, do nosso Centro de Mídias e também da TV Encontro das Águas. Essa determinação, tanto para as escolas quanto para o Cetam, UEA e FUnATI, recomendamos também às escolas particulares, que façam o mesmo”, sugeriu o governador.

A suspensão nas escolas estaduais no interior não foi decretada, mas a situação será avaliada, conforme a necessidade.

Outras medidas – O decreto prevê, ainda, a suspensão por 15 dias de eventos promovidos pelo Governo do Estado, incluindo a programação dos espaços culturais (centros, museus e galerias) administrados pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa, como visitas turísticas ao Teatro Amazonas e as aulas do Liceu de Artes e Ofícios Claudio Santoro, na capital e no interior.

Também estão suspensas as visitas aos presídios e centros de detenção, a participação de servidores ou empregados em eventos e viagens interestaduais e internacionais e as férias de servidores da saúde até 15 de maio.

De acordo com o decreto, servidores acima de 60 anos, gestantes, lactantes e portadores de doenças crônicas estão liberados para trabalhar de casa pelo período de 15 dias, sem prejuízos à remuneração.

O documento também estabelece que a autoridade portuária responsável pelo Porto de Manaus poderá suspender a atracação de cruzeiros e embarcações de grande porte. A Superintendência Estadual de Navegação, Portos e Hidrovias (SNPH) avaliará, em cada caso, se a embarcação irá atracar e se os turistas desembarcam na cidade. A decisão será tomada em conjunto com Susam e Amazonastur.

Fica suspenso, também, o recadastramento e prova de vida dos servidores inativos, junto à Amazonprev.

O Comitê Interinstitucional Ampliado de Gestão de Emergência em Saúde Pública para Resposta Rápida aos Vírus Respiratórios, com ênfase no COVID-19, criado ainda em janeiro, passa a se reunir todos os dias.

Estrutura – O secretário de Saúde do Amazonas, Rodrigo Tobias, ressaltou que o Estado está preparado para atender casos confirmados de Covid-19. O governador Wilson Lima ressaltou que não há falta de máscaras nas unidades de saúde, já que 90 mil máscaras chegaram nesta segunda-feira (16/03) e outras 130 mil chegarão até sexta-feira (20/03).

A diretora-presidente da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS) frisou que o Amazonas recebeu quantidade suficiente de testes para o novo coronavírus, enviados pelo Ministério da Saúde.

“Temos que usar esses testes com racionalidade. Isso impõe que nós só façamos testes em pessoas que estiveram em áreas com transmissão ativa do vírus e que cheguem a Manaus ou ao interior sintomáticas. Eles têm que ter tido febre e pelo menos um sintoma respiratório (tosse seca, cansaço, falta de ar, dor de garganta, coriza)”, pontuou Rosemary.

O paciente nessas condições deve se apresentar a Unidade Básica de Saúde (UBS) ou unidade de Urgência e Emergência da Susam. “A pessoa vai ser avaliada por um médico que vai definir se ela atende a essa definição de caso e o Lacen (Laboratório Central de Saúde Pública do Amazonas) vai ser acionado para fazer a coleta”, completou a diretora-presidente da FVS.

O governador recomendou que, em caso de dúvidas, os cidadãos entrem em contato direto com o Ministério da Saúde por meio do número 136. Outra possibilidade é baixar o aplicativo para celular “CoronavirusSUS”.





NOTA - Seas suspende atividades nos Centros de Convivência

A Secretaria de Estado de Assistência Social (Seas), visando resguardar a saúde dos usuários, informa que como medida preventiva ao coronavírus suspenderá, no período de 17 a 31 de março, as atividades realizadas nos Centros Estaduais de Convivência da Família e do Idoso. Tal medida atende as orientações do Ministério da Saúde de evitar aglomerações. O retorno das atividades será definido com base nas atualizações das autoridades de saúde.


Via Secom


FOTOS: Diego Peres
Em tempos de "censura" com o jornalismo independente precisamos da ajuda do nosso leitor para nos manter online. Agora você pode apoiar o Amazon Presse através do PIX: 32.688.550/0001-31. Colabore!
Postagem Anterior Próxima Postagem