Após ser uma das vítimas de uma erupção vulcânica, uma australiana de 48 anos de idade acordou recentemente de um coma de dois meses por conta da tragédia. Poderia ser um momento de alegria, mas para Lisa Dallow, a paciente sobrevivente, um outro trauma estava por começar: ela descobriu que o marido, Gavin Dallow, e a filha, Zoe, 15, morreram durante a mesma tragédia.

Lisa Dallow foi uma das vítimas da erupção do vulcão Whakaari, na Ilha Branca, na Nova Zelândia, no último dia 9 de dezembro. Ela sofreu queimaduras em 60% do corpo e foi encaminhada para Melbourne, para tratar os ferimentos. Ao despertar, foi informada da perda dos outros dois membros da família, que estava de férias na ilha neozelandesa.

De acordo com informações de um representante da família, Lisa teve problemas para aceitar o que ocorreu com seus entes. "Levou um tempo para ela processar tudo, ela ficava dizendo que não conseguia acreditar que eles tinham morrido", disse.

"Ela se lembra da explosão e de gritar para todos correrem dali", contou o parente. "Também consegue se lembrar das pedras caindo por todos os lados e atingindo-a nas costas. Depois, pensou 'quando vão nos resgatar?' A única coisa que ela se lembra depois é de acordar no hospital, sem saber onde estava."

Lisa ainda estava em coma quando seu marido foi enterrado, no mês passado. Já enterro de Zoe foi adiado para que ela pudesse participar. No entanto, a mãe ainda está com a saúde frágil demais para poder comparecer.

"Obviamente, Lisa não pôde decidir nada sobre o velório de Gavin", disse a cunhada dela, Meredith Dallow. "Então queríamos que ela pudesse decidir, mesmo que ela não consiga comparecer, o que ela quer para Zoe. Infelizmente, ela terá de ver tudo por vídeo."

De acordo com a polícia neozelandesa, 21 pessoas morreram em decorrência da explosão do vulcão. Dessas, 19 perderam a vida ainda na ilha e duas acabaram morrendo no hospital, em decorrência dos ferimentos.


Via Portal R7
Postagem Anterior Próxima Postagem