A ideia de Átila é que o Ministério fique no lugar do Conselho da Amazônia


O deputado federal Átila Lins (Progressistas) propôs na terça, dia 11, que o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), crie o Ministério Extraordinário da Amazônia Legal no lugar do Conselho da Amazônia.

Átila disse que o país é cheio de conselhos dos mais variados temas, mas muito deles “deixam a desejar” na hora de apresentar resultados significativos.

“Já que o presidente quer criar um órgão para cuidar da região amazônica nas suas diversas peculiaridades, até passando um recado à comunidade internacional de que quer realmente resolver os problemas da Amazônia, a criação de ministério é mais apropriado”, disse Átila.

O deputado indicou que o próprio vice-presidente da República e coordenador do Conselho da Amazônia, general Hamilton Mourão (PRTB), seja o ministro da pasta.

“Ele usaria a estrutura da Vice-Presidência da República, sem aumento de gastos”.

Nos argumentos a Bolsonaro, Átila defende que, como ministério, as questões que envolvem a Amazônia teriam melhor trâmite interministerial.

Mineração, terras indígenas, regularização fundiária, agropecuária, meio ambiente, infraestrutura viária e aeroportuária, ecoturismo, bioeconomia e outros foram temas apontados pelo deputado amazonense à espera de atenção federal.

Embora enxergue boa intenção do governo na criação do conselho, o deputado considera que ele é insuficiente para essas demandas da região.

Para o decano da Câmara dos Deputados, um conselho não tem a mesma força institucional de um ministério na proteção, defesa e desenvolvimento da região amazônica.
Postagem Anterior Próxima Postagem