Em votação nesta quarta-feira (12), a Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam) aprovou o projeto de lei n.º 527/2019, de autoria do deputado estadual João Luiz (Republicanos), que institui a Semana Estadual de Conscientização sobre Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) – a Semana Laranja.

O texto, que agora segue para a sanção do governador Wilson Lima, propõe a realização anual da Semana Laranja entre os dias 7 e 13 de julho, com atividades, campanhas, debates e palestras para promover o esclarecimento, a reflexão e a divulgação dos dados sobre o TDAH e seus portadores no âmbito estadual.

Na avaliação de João Luiz, o PL foi confeccionado com base na necessidade de reconhecer o TDAH como algo de interesse prioritário para a saúde pública. “Nossa proposta é aumentar a consciência da população sobre o tema, melhorando, desta forma, o acesso aos serviços de saúde mental para crianças e adultos portadores do transtorno”, justificou o autor do projeto.

De acordo com o Republicano, a exemplo do que ocorre com várias outras condições e problemas de saúde, com a aprovação desse projeto, o TDAH também passa a ser lembrado em uma data anual específica. “Uma semana dedicada à conscientização e à informação ajudará a diminuir o estigma que impede que milhões de crianças e adultos procurem os cuidados que necessitam”, ressaltou João Luiz, ao comentar que “a população precisa ter conhecimento dos avanços médicos e dos tratamentos que permitem que a maioria dos portadores de TDAH seja beneficiada e obtenha uma vida mais feliz e mais produtiva”.

Saiba mais sobre TDAH

O TDAH é um transtorno neurobiológico que afeta de 3% a 7% das crianças em idade escolar e aproximadamente 4% dos adultos, nos mais diversos grupos raciais, étnicos e socioeconômicos. Os estudos indicam que o distúrbio é comum em algumas famílias e sugerem que a carga genética é um fator de risco importante. O TDAH é caracterizado por três sintomas básicos: impulsividade, desatenção, e em alguns casos, hiperatividade.

São inúmeros os impactos negativos da falta de diagnóstico e tratamento do TDAH: maior número de acidentes, perda de emprego, divórcios, maior risco de uso de álcool e drogas, tendência a cometer atos infracionais, abandono escolar, baixa autoestima e baixa autoconfiança.

Via assessoria 
Postagem Anterior Próxima Postagem