Familiares da criança realizaram um protesto no 11º DIP, em Manaus

Pai e madrasta foram presos suspeitos de matar e enterrar Luiz Henrique, de três anos de idade.


Aline da Silva Fragata, de 20 anos, mãe de Luiz Henrique dos Santos Oliveira, menino de três anos que foi encontrado morto em Nova Olinda do Norte, afirma que o pai da criança, Robert Nascimento, levou Luiz de Manaus para o município, situado a 130 quilômetros da capital, sem a sua autorização. 


A jovem pede para ter acesso ao corpo da criança para realizar um enterro digno ao filho. “Eles mentiram pra mim. Eu quero o corpo do meu filho. Ele vai ter um enterro digno”, disse Aline, em Manaus, durante protesto em frente ao 11° Distrito Integrado de Polícia (DIP), no Coroado, na Zona Leste da capital.


A mãe afirmou que a madrasta da criança, Maria José Bezerra, teria enviado uma mensagem telefônica no dia 20 de dezembro afirmando que o menino estava morto. O corpo de Luiz foi encontrado no último sábado (18), no quintal da casa de Robert e Maria, principais suspeitos de terem cometido o crime, e que estão presos no município de Tefé, com previsão de serem transferidos para Manaus ainda nesta semana, de acordo com a Polícia Civil do Amazonas (PC-AM). Em entrevista ao programa "Alô Amazonas", da TV A Crítica, a mãe contou que a última vez que viu o filho foi no dia 12 de outubro, Dia das Crianças. 


“Ele passou o dia com a gente aqui em casa, e, no outro dia, a avó veio buscá-lo”, relembra. Identificada como Alessandra, a avó não teria comunicado que a criança iria para a casa do pai, em Nova Olinda do Norte. “Foi a mãe dele [de Robert] que enviou o Henrique sem autorização para a casa dele. Eu não ia deixá-lo ficar com o Henrique”, disse a mãe. 


No dia 20 de dezembro, Aline afirma ter recebido uma mensagem telefônica do ex-companheiro Robert, onde ele disse que gostaria de reatar o relacionamento. Horas depois ela afirma que recebeu outra mensagem do mesmo número, porém, enviada pela atual companheira de Robert, Maria José Bezerra, em que ela dizia: “seu filho está morto, vagabunda”. 

A mãe tentou ligar diversas vezes para o número e, desde então, sem sucesso na resposta, procurou a mãe de Robert, que afirmou estar tudo bem com a criança. “A dona Alessandra disse que o Henrique estava bem e feliz por estar com o pai”, conta. Revolta Após o casal ter sido preso pelos policiais civis de Nova Olinda do Norte, populares se concentraram próximo à delegacia na manhã de domingo (19) a fim de adentrar a 47ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP), onde o casal se encontrava. 

Na última sexta-feira (17), em Fonte Boa, município distante 678 quilômetros de Manaus, um suspeito de estupro contra uma criança foi esquartejado e queimado por populares após invadirem e depredarem a delegacia onde estava o preso. A Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM) enviou reforço policial e afirma que irá identificar os suspeitos do crime.

Via A Crítica
Postagem Anterior Próxima Postagem