A decisão de ir a posse foi tomada hoje e visa manter a diplomacia e a cordialidade entre as duas Nações historicamente amigas


O Vice Presidente da República, General de Exército Mourão, não virá a Manaus amanhã (10) para receber o Titulo de Cidadão do Amazonas pois irá representar o Brasil na posse do novo presidente da Argentina, Alberto Fernández.

A entrega do Titulo de Cidadão do Amazonas poderá ser recebida por um procurador ou em outra data a ser definida.




"A pedido de Bolsonaro participará da posse de Alberto Fernández na Argentina"




O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, informou ao G1 que participará nesta terça-feira (10) em Buenos Aires da cerimônia de posse do novo presidente da Argentina, Alberto Fernández.


Segundo Mourão, o presidente Jair Bolsonaro o chamou ao gabinete na tarde desta segunda (9) para pedir que representasse o Brasil na cerimônia.



É um gesto do presidente para que as relações voltem ao normal, declarou Mourão.


Segundo a Presidência, Mourão embarcará ainda na noite desta segunda para a capital argentina.


Mais cedo, nesta segunda (9), o próprio Bolsonaro chegou a dizer que analisaria primeiro a lista de convidados para decidir quem enviar à posse. Depois, o Planalto informou que o embaixador em Buenos Aires, Sergio Daneses, representaria o Brasil na cerimônia.


Em princípio, Bolsonaro havia decidido enviar para a posse o ministro da Cidadania, Osmar Terra. O próprio ministro disse à GloboNews, porém, que Bolsonaro havia desistido da ideia.



Relação Brasil-Argentina
De acordo com o Ministério das Relações Exteriores, a Argentina é o terceiro principal destino das exportações brasileiras.


Segundo o Itamaraty, o comércio bilateral entre os dois países chegou a US$ 26 bilhões em 2018, atrás somente dos Estados Unidos e da China.


No plano político, a proximidade com a Argentina constitui pilar importante do esforço de construção de um espaço de paz e cooperação no entorno brasileiro. A alta densidade da cooperação política entre ambos os países reflete-se nos frequentes encontros e visitas bilaterais em nível presidencial e ministerial, destaca o ministério em um texto publicado no site oficial.




Bolsonaro e Fernández

Esta será a primeira vez desde 2003 que o chefe de Estado brasileiro não irá à posse do novo presidente argentino.


Durante a campanha presidencial na Argentina, Bolsonaro fez diversas críticas a Fernández e defendeu reiteradas vezes a reeleição de Mauricio Macri, que perdeu no primeiro turno.


Bolsonaro chegou a dizer que, se Fernández fosse eleito, a Argentina se tornaria uma "nova Venezuela" e, por isso, cidadãos argentinos fugiriam para o Rio Grande do Sul, assim como venezuelanos fugiram para Roraima.


Após a eleição, Bolsonaro disse que não cumprimentaria Fernández, acrescentando que a população argentina escolheu "mal" o novo presidente.


Atualizado às 17:00 hs.

Via G1
Postagem Anterior Próxima Postagem