O lançamento do programa “Muda Manaus”, do Governo Estadual, foi repercutido pelos deputados durante a Sessão Ordinária realizada nesta terça-feira (10) na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam). De acordo com o executivo Estadual o programa tem o objetivo de reduzir a vulnerabilidade social e melhorar a qualidade de vida da população da capital amazonense.


O primeiro a falar sobre o programa foi o deputado Álvaro Campelo (Progressistas), que avaliou positivamente a iniciativa. Campelo informou que a primeira ação teve início na última quinta-feira (5), indo até o sábado (7), no Centro Estadual de Convivência da Família Teonízia Lobo, no bairro Amazonino Mendes, Zona Norte de Manaus. “O balanço parcial indica que mais de 11 mil pessoas foram atendidas”, destacou o parlamentar, informando que 24 órgãos participaram, como Secretaria de Saúde (Susam), Secretaria de Justiça (Sejusc), Secretaria de Trabalho e Empreendedorismo (Setemp).


O deputado Augusto Ferraz (DEM) ratificou as palavras de Campelo, destacando afirmando que o governador Wilson Lima (PSC) e o vice-governador, Carlos Almeida (PRTB), em apenas seu primeiro ano de mandato já realizaram muitas ações que estimular o desenvolvimento da economia do Estado.


A assinatura, na última segunda-feira (9), de um termo de cooperação técnica entre a Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM) e a Polícia Federal (PF) com o intuito de desenvolver projetos e troca de informações para o combate à criminalidade e encontro de pessoas desaparecidas em todo o Estado foi o tema do pronunciamento do deputado Cabo Maciel (PL). O parlamentar chamou atenção ao dado de que, apenas no período de janeiro a setembro de 2019, foram registrados 788 desaparecimentos no Amazonas. “É uma parceria muito importante para a segurança pública amazonense, que certamente irá trazer bons frutos para o nosso povo”, disse.

O deputado Dermilson Chagas (PP) foi outro a comentar ações do Executivo. Chagas criticou a Mensagem Governamental nº 149/2019, enviada à Aleam no dia 29 de novembro, e que pede autorização do Parlamento para a concessão de crédito presumido do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços da Petrobras, empresa responsável pelas atividades de extração de petróleo e gás natural no Estado. “É preciso avaliar o quanto isso representa em receita”, disse, destacando ainda que “esse valor poderia ser utilizado para solucionar os pagamentos da Susam, por exemplo”.


Transpondo os trabalhos para o Grande Expediente a deputada Alessandra Campêlo (MDB), que presidia a reunião, inverteu a pauta e deu início à votação de uma pauta com cerca de 40 matérias.

Via Assessoria de Imprensa
Postagem Anterior Próxima Postagem