No dia 20 de Novembro é comemorado o “Dia Nacional da Consciência Negra”, e para comemorar a data a Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) realizará na próxima quinta-feira (21), a II Edição do Prêmio Nestor Nascimento. O evento será realizado no Auditório Senador João Bosco, a partir das 9 hs.

O prêmio é oferecido em reconhecimento aos movimentos e personalidades que atuam em atividades voltadas para a promoção da igualdade racial e combate ao racismo na sociedade amazonense. Ele faz parte das atividades do programa Educando pela Cultura, realizado pela Escola do Legislativo Senador José Lindoso, com o objetivo de levar aos alunos de escolas públicas debates sobre temas atuais e que podem ser trabalhados de forma transversal na educação, contribuindo para ampliar as experiências dos estudantes e o crescimento social.

A coordenadora do programa, pedagoga da Escola do Legislativo, Jacy Braga, explicou que o “Educando pela Cultura” trabalha mensalmente temas relevantes para a sociedade, e na edição deste mês de novembro, em razão da proximidade da data do dia 20 e importância do reconhecimento dos negros na constituição e na construção da sociedade brasileira de maneira geral, e na sociedade amazonense em particular.


Apenas em Manaus, ao contrário do que se pensa, 52,7 % da população é composta por afrodescendentes, que são os negros e pardos, disse, chamando atenção que mesmo sendo maioria na formação do povo, não há celebração e referências a essa influência na nossa história e cultura.


De acordo com a coordenadora, o evento contará com a presença dos alunos do Ensino Médio da Escola Estadual Arlindo Vieira os Santos, localizada no bairro Novo Israel, Zona Norte de Manaus. Os estudantes irão participar de palestras e mesas de debates com os temas: “Genocídio da População Negra”, palestrante Francy Júnior, gerente de Igualdade Racial da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc); “Epistemicídio da Cultura Afro”, palestrante Prof. Me. Juarez Silva, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam); “Visibilidade Constitucional da População Negra”, palestrante Ana Carolina Amaral, presidente da Comissão de Igualdade Racial da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Amazonas (OAB-AM).

Também estão previstas apresentação de danças e comidas que expressem a cultura negra. Dentro dessa programação acontecerá a solenidade de premiação dos escolhidos nas cinco categorias do Prêmio Nestor Nascimento.

O premio foi criado para dar visibilidade às pessoas que desenvolvem atividades culturais, políticas e sociais voltadas á população negra. Os premiados são escolhidos através da indicação de profissionais de instituições e organizações que atuam na luta do desenvolvimento e preservação da cultura negra. 


Os premiados, em 2019 são:

Categoria Feminismo Negro: ialorixá Mãe Nonata Correa, líder do Movimento de Mulheres do Amazonas.

Categoria Conjunto da Obra – respeito, visibilidade, resgate histórico e luta contra o racismo: Profª. Dra. Patrícia Melo, Ufam.

Categoria Atividades Culturais com enfoque na Afro cultura: Associação Crioulas do Quilombo Urbano Barranco de São Benedito.

Categoria Preservação da Fé e Luta contra a Intolerância Religiosa: Mãe Emília de Tóy Lissá , Tambor de Mina.

Categoria Protagonismo Negro: Coletivo Ponta de Lança.



Nestor Nascimento


Nestor José Soeiro do Nascimento, que dá nome ao prêmio oferecido pela Escola do Legislativo da Aleam, foi um líder negro da história recente do Amazonas, com marcante atuação na luta e conquista dos direitos civis da população negra amazonense.

Nascido em Manaus no dia 11 de dezembro de 1947, era de uma tradicional família do bairro da Praça 14 de Janeiro, Zona Sul de Manaus, onde viveu e estudou. Foi fundador da Associação dos Moradores e Amigos da Praça 14 e sócio fundador da tradicional Escola de Samba Vitória Régia.

Pela sua história em defesa dos direitos civis da população negra, Nestor Nascimento foi convidado, em 1997, pelo então presidente norte-americano, Bill Clinton, a visitar os Estados Unidos da América. Na viagem teve a oportunidade de visitar o Capitólio, a Casa Branca e foi reconhecido como um “dos mais ilustres defensores dos direitos civis no Brasil”.



Dia da Consciência Negra


A Lei nº 12.519/2011 instituiu o dia 20 de novembro como o Dia Nacional da Consciência Negra. A data foi escolhida por ser o dia da morte de Zumbi dos Palmares, em 1695. Zumbi foi um escravo, líder da luta contra a escravidão e líder do Quilombo dos Palmares.

A data tem o objetivo de provocar uma reflexão sobre a inserção do negro na sociedade, bem como reconhecer a importância desse povo, e seus descendentes, na formação da economia, cultura e sociedade brasileira. Questões como o racismo, discriminação, desigualdade social são alguns dos temas postos em debates.





Via Diretoria de Comunicação da Aleam
Postagem Anterior Próxima Postagem