Os deputados da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) trataram, na manhã desta quarta-feira (16), sobre temas diversos, como energia elétrica, prevenção ao suicídio e a lei delegada aprovada dias atrás pela Assembleia possibilitando ao governo reformas administrativas.


O deputado João Luiz (Republicanos) reforçou a vinda do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, para a inauguração da estrutura do cabo aéreo na Ponte sobre o Rio Negro para acabar com os problemas de fornecimento de energia na manhã desta quarta-feira (16). Segundo o deputado, com o cabeamento a manutenção e a fiscalização serão melhores, oferecendo uma estabilização do fornecimento de energia.


Sinésio Campos (PT) discursou sobre um Projeto de Lei de sua autoria que foi sancionado pelo Governador e que combate às fake news. Para o deputado, a conscientização e combate à propagação de notícias falsas devem ser discutidas nas escolas e com a sociedade por conta do impacto negativo e as consequências que uma informação falsa pode trazer para a vida de uma pessoa.


Uma Cessão de Tempo concedida pelo deputado Álvaro Campelo (Progressistas) possibilitou que a psiquiatra Alessandra Pereira falasse sobre o projeto Ponte Segura, que prevê a colocação de gradil na Ponte sobre o Rio Negro, como forma de dificultar o acesso à ponte como meio de suicídio. “Apenas este ano Manaus já teve 66 casos de suicídios registrados, sendo que para cada registro, existem três suicídios não registrados e a proteção de lugares que podem ser usados como meio de suicídio é uma das formas de combate”, afirmou a psiquiatra que citou a cidade de Natal, no Rio Grande do Norte, que já conta com projeto de proteção da Ponte Newton Navarro, com casos de suicídio já registrados.


Os deputados Dermilson Chagas (PP) e Wilker Barreto (Podemos) criticaram a lei delegada aprovada pela Assembleia que permite alterações administrativas na estrutura do Estado sem aprovação do Poder Legislativo. Wilker Barreto foi além e sugeriu ainda uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) para cassar a lei delegada. Os deputados questionaram o esforço do governo em fazer uma reforma administrativa por motivos de economia ao mesmo tempo em que o Governo contrata profissionais da área de educação mesmo tendo concursados aguardando convocação.


A deputada Alessandra Campêlo (MDB) pediu apoio dos colegas parlamentares estaduais e dos federais da bancada do Amazonas para derrubar no Congresso Nacional o veto do presidente da República ao Projeto de Lei nº 2.538/2019, de autoria da deputada Renata Abreu (Podemos-SP).


O projeto obriga hospitais a comunicarem casos de possível violência doméstica às autoridades em até 24 horas. “Hoje essa comunicação já existe, mas sem um prazo definido. Esse prazo de 24 horas é uma garantia de comunicação do crime e o presidente da República vetou o projeto, o que eu considero surreal”, afirmou.


Finalizando a Sessão, a deputada Therezinha Ruiz (PSDB) fez um Comunicado de Liderança sobre as atividades da Semana de Valorização do Educador, que conta com a entrega da Medalha Ignês Vasconcelos neste dia 16 de outubro, corrida e caminhada do educador no próximo dia 19 e entrega do Prêmio do Concurso Professor Inovador no próximo dia 23 de outubro.


Via Diretoria de Comunicação
Postagem Anterior Próxima Postagem