O vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida, secretário-chefe da Casa Civil, não disputará a Prefeitura de Manaus. A decisão foi tomada entre ele e o governador Wilson Lima. O governador tem entregue ao vice as principais tarefas técnicas do Governo. Carlos podia ser candidato a prefeito e, se não tivesse êxito, retornar ao cargo. Mas seriam pelo menos seis meses afastado de todas as funções administrativas que exerce. Wilson e ele decidiram que melhor é fortalecer o governo de ambos. A informação é de fonte segura.

Carlos Almeida é o técnico. Wilson Lima o político. “Se o governo se fortalece, nós dois ficamos fortalecidos. Isso fará, no médio prazo, o Amazonas ficar melhor”, tem dito o vice, nos círculos internos. Foi dele a decisão de demitir, ainda em março, a então secretária estadual de Política Fundiária, Keith Maciel.


Luiz Castro 
A decisão política de Wilson e Carlos tem outra razão. É unanimidade que a saída de Luiz Castro aliviou um peso, tanto dele quanto da administração. O vice, com tarefas se acumulando na Casa Civil, não teria tempo para trabalhar politicamente o próprio nome. Nem para se defender de possíveis ataques. 

Um político, outro técnico 
O desempenho de tarefas técnicas, no seio da Casa Civil, ficou claro em três episódios. 

A entrega de títulos de terra, na Região do Baixo Amazonas, foi feita por Wilson Lima. Mas o trabalho técnico que possibilitou aquele momento foi todo feito por Carlos, na Casa Civil. 

A promoção ocorrida dentro da Polícia Militar, que a tropa entendeu estar ameaçada, também resultou da dobradinha governador-vice. Carlos, apesar da lei que congelou os salários, encontrou os caminhos legais para que Wilson pudesse declarar: “Vamos cumprir todos os acordos feitos até aqui, para reajuste de salários. Independente da legislação aprovada na Assembleia Legislativa”. 

A decisão de cumprir os acordos, a maioria feitos ainda na gestão de Amazonino Mendes, foi importante para desfazer a greve de servidores. Surgiu quando parecia impossível desatar o nó de tantas categorias revoltadas com o congelamento de salários. 

Reforma administrativa 
O terceiro momento da dobradinha Wilson-Carlos ainda está por ser revelado. Carlos Almeida comanda, com outros secretários, a comissão encarregada da Reforma Administrativa. O documento final deve ficar pronto para ir à Assembleia Legislativa esta semana. 

A explicação, a decisão final e o faturamento político do trabalho, no entanto, serão todos de Wilson Lima.

Eleição
A eleição para a Prefeitura de Manaus, em 2020, mobiliza todos os políticos do Amazonas. Não é à toa que aumentou muito o movimento em defesa da Zona Franca de Manaus. Uma frase do ministro da Economia, Paulo Guedes, gerou tsunami de vociferações contra ele. 

O atual prefeito, Arthur Virgílio Neto, não pode mais ser candidato porque já usou o instituto da reeleição.


Via Portal do Marcos Santos
Postagem Anterior Próxima Postagem