Nesta terça-feira (18), a Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) teve duas Cessões de Tempo relacionadas à Saúde. Em uma delas, o deputado estadual Sinésio Campos (PT) concedeu oportunidade ao membro do Conselho Administrativo de Unimed (Conad), Jesus Pinheiro, para esclarecer à população sobre a atual situação da Unimed Manaus.

Sinésio, que já vem defendendo a permanência e continuidade da prestação de serviços da Unimed Manaus desde a crise que afetou a cooperativa no ano passado, falou sobre a importância do sistema para a saúde do Amazonas. “São mais de 40 mil clientes e já sabemos que o SUS não comporta o atendimento de mais esses clientes da Unimed. Por isso é uma cooperativa importantíssima para o nosso estado, gerando emprego e renda pro nosso estado”, justificou.

Durante a Cessão de Tempo, Pinheiro agradeceu o apoio dos parlamentares ao sistema. “Ano passado a Unimed já veio aqui nesta Casa esclarecer em Audiência pública, os problemas econômicos e financeiros por que vinha passando e, como toda empresa passou por problemas financeiros, mas já tem 40 anos de funcionamento e gera milhares de empregos e tributos aos cofres do Amazonas. A nossa vinda hoje é para agradecer o apoio dos deputados pela sobrevivência”, afirmou, tranquilizando os clientes e colaboradores sobre a continuidade do serviço da Unimed Manaus.


Médicos

Em outra Cessão de Tempo, os deputados Dermilson Chagas (PP) e Wilker Barreto (PHS) deram oportunidade ao Presidente do Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam), Mario Vianna, que reclamou da falta de pagamento da categoria pelo Governo do Estado há quatro meses. “Assim como eu, tem aqui vários representantes inconformados com a falta de compromisso do Governo do Estado com as empresas que prestam serviços médicos nas Unidades de Saúde no estado”, criticou.

Segundo Mário Vianna, das 15 empresas médicas que prestam serviços apenas uma recebeu. “As demais continuam sem receber e os profissionais tendo mais dificuldades para manter  suas atividades nas unidades de saúde. Já tentamos conversar mais de uma vez com o vice-governador, que também já foi secretário, mas todas as tentativas foram frustradas, pois nunca fomos recebidos”, lamentou, pedindo o cumprimento dos pagamentos atrasados aos profissionais.


Via: Diretoria de Comunicação



Postagem Anterior Próxima Postagem