O Ministério Público do Estado (MP-AM) cumpre na manhã desta terça-feira, dia 18, mandados de busca e apreensão nas residências do coronel PM Nilson Cardoso e do advogado José Júlio César Corrêa.

Ambos foram dirigentes da Superintendência Estadual de Habitação (Suhab) durante o governo interino do ex-presidente da Assembleia Legislativa do Estado, David Almeida (Avante).

Desde o ano passado, o MP-AM investiga denúncias de irregularidades na contratação da empresa Ezo Soluções Interativas Ltda pela Suhab.

Pelo contrato, a Ezo deveria realizar serviços de recuperação de valores junto à carteira do Fundo de Compensação de Variações Salariais (FCVS), gerido pela Caixa.

A Ezo informou ao então governo que identificou R$ 27 bilhões em favor do Amazonas no FCVS. Pelo contrato, o Estado deveria pagar 20% do valor descoberto, ou seja, R$ 5 bilhões. Júlio Corrêa, que atuou como advogado da empresa, alegou ter direito a R$ 200 milhões desse montante.

Os pagamentos foram suspensos pela Justiça.

Sem anuência
O BNC entrou em contato com o ex-governador interino David Almeida que disse que tudo foi feito sem anuência da Procuradoria Geral do Estado (PGE) e que quer ver a verdade prevalecendo.
“Fizeram tudo sem anuência da Procuradoria do Estado. Não sou investigado e sou o principal interessado que a verdade prevaleça”, afirmou.

Via BNC
Foto: BNC


Postagem Anterior Próxima Postagem