É a primeira vez que o Amazonas elege quatro deputadas para a Assembléia Legislativa do Amazonas (Aleam), formada por 24 parlamentares. Todas vêm de partidos diferentes, têm nível superior e história na política partidária, a exemplo de Alessandra Campêlo (MDB), única mulher na legislatura passada e reeleita em 2018. Therezinha Ruiz (PSDB) já teve a primeira experiência como deputada, depois elegeu-se vereadora de Manaus e agora retorna ao parlamento estadual. Joana Darc (PR) é ex-vereadora de Manaus e Dra. Mayara Pinheiro (PP) exerceu o cargo de vice-prefeita de Coari (a 363 km de Manaus), até assumir o mandato de deputada.

As quatro parlamentares se declaram unidas, mesmo com as diferenças partidárias, afirmam receber todo apoio do presidente da Casa, Josué Neto (PSD), e também dos demais colegas homens, como explica Alessandra, enfatizando o sentimento de união entre elas. “Hoje, estamos mais fortes e isso faz a diferença: uma defende a outra. Já teve um episódio de agressão verbal de um deputado contra uma das deputadas e todas se uniram a favor dela. Então, já ficou claro para todo mundo: mexeu com uma, mexeu com todas. Essa frase é dos movimentos feministas, mas aqui é colocada em prática. Acredito que é um incentivo para que as mulheres participem mais da política. Os legislativos deveriam ser formados metade por homens e metade por mulheres, porque é assim a sociedade”, sustenta Alessandra.

Therezinha Ruiz espera que elas “façam a diferença nesta legislatura”, porque “uma fortalece a outra”, sem disputar espaço.  “Estamos unidas para ajudar a sociedade, fazendo um trabalho integrado em defesa da mulher, da criança e de todos os segmentos mas, sobretudo, defendendo a inclusão da mulher de maneira integral: na oferta de trabalho, nas novas tecnologias, combatendo o feminicídio, a violência sexual, a violência obstétrica. Só que ainda precisamos avançar com algumas leis de proteção à mulher. Aqui na Assembleia, esperamos fazer a diferença. Nós, deputadas, fizemos um pacto de união, de fortalecimento, de integração para mais ações positivas”.

Bancada feminina
“Nós temos um pacto de que a gente sempre vai se defender, enquanto bancada feminina, independentemente das diferenças partidárias ou diferenças de posicionamentos na política. Então eu me sinto satisfeita, estou conseguindo desempenhar o meu papel, a minha causa está sendo respeitada. Agora eu tenho uma comissão específica de proteção à fauna”, explica Joana Darc, que ficou conhecida como protetora dos animais (é fundadora da ONG Proteção, Adoção e Tratamento Animal – Pata Manaus, que tem mais de 50 voluntários ativos). Pensa de igual maneira a Dra Mayara, destacando a união entre elas e o aumento da bancada feminina na Aleam.
“A gente é minoria e as minorias precisam de união. A gente está muito unida, se respeita. Cada uma tem suas bandeiras (políticas) principais, mas a bandeira que é de uma, é de todas. A sociedade só tem a ganhar quando a gente se une e mostra força. Acho que a Assembleia Legislativa do Amazonas acompanhou o fenômeno que acontece em nível de Brasil, na medida em que a presença feminina aumentou em todas as esferas do poder”, diz a Dra. Mayara, revelando ter ficado assustada com os graves problemas de Manaus (quando veio de Coari), porque conhecia apenas “a realidade do interior do Estado”.

Apoio
As deputadas elogiam a forma como são tratadas pelo presidente Josué Neto. “Ele trata a nós quatro como rainhas. Eu não tenho nenhum tipo de reclamação. Ele nos oferece até, muitas vezes, mais do que merecemos. Ele nos compreende, ele abraça as nossas lutas, ele nos empodera. Eu posso dizer que ele é um presidente que abraça as nossas causas, atua como um grande parceiro, nos dá todo o suporte, independentemente de posições políticas, para que possamos fazer o nosso dever aqui, dentro da Assembleia”, conta Joana Darc. E Therezinha Ruiz garante: “Em nenhum momento, quando levamos nossas reivindicações, algum pedido, o presidente Josué Neto tem negado. Ao contrário, ele tem nos dado total apoio. Tem sido muito importante o apoio do presidente e dos demais colegas”.
“O Josué tem dado todo o apoio para que a gente desenvolva esse trabalho em defesa das mulheres, pela garantia ao mercado de trabalho, pelo fim de todas as diferenças e dos preconceitos contra as mulheres. A gente também tem apoio da maioria dos colegas homens. Então, o ambiente da Casa hoje é mais respeitoso, a gente se sente mais segura”, declara Alessandra. E quando foi perguntado se concordava com a opinião das colegas sobre o apoio do presidente Josué Neto, Dra. Mayra respondeu: “O apoio é total. O Josué Neto tem sido um lorde. Ele tem dado apoio a todos os deputados, para que tenham seu espaço para trabalhar. Tenho muito a agradecer ao Josué Neto, que tem nos dado oportunidade de trabalhar pelo povo”.

Mesa Diretora
Não apenas quatro mulheres foram eleitas para a 19ª Legislatura, mas elas também conseguiram fazer parte Mesa Diretora, composta por dez parlamentares. E todas são presidentes de comissões técnicas importantes. Alessandra, 1ª vice-presidente da Mesa Diretora, preside a Comissão da Mulher, das Famílias e do Idoso; Dra Mayara, 2ª vice-presidente da Mesa, preside a Comissão de Saúde e Previdência; Therezinha Ruiz preside a Comissão de Educação; enquanto Joana Darc foi escolhida para a Comissão de Meio Ambiente, Proteção ao Animais e Desenvolvimento Sustentável e, desde 30 de maio, passou a ser a nova líder do governo Wilson Lima (PSC).
As mulheres deputadas têm formação acadêmica em áreas distintas. Alessandra Campêlo é formada em jornalismo; Therezinha Ruiz, professora, é formada em Letras, com habilitação em inglês e português; Dra Mayara é médica-dermatologista e Joana Darc, advogada, agora também é acadêmica num curso de veterinária. As duas últimas cumprem o primeiro mandato no legislativo estadual. Dra Mayara foi a campeã da eleição de 2018, quando recebeu mais de 50 mil votos.



Via: Assessoria de Imprensa


Postagem Anterior Próxima Postagem