Nesta quarta- feira (19) é realizado, no auditório Beth Azize da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), a 2° Reunião Técnica, da Comissão Especial, quem tem o objetivo de debater formas, propostas e providências visando conter a escalada absurda do preço do gás de cozinha (GLP) no Amazonas e a Implementação do Projeto do Gás Natural Social em zonas periféricas da cidade de Manaus.

A Comissão Especial foi instituída no âmbito da Aleam, de caráter consultivo e não remunerado, sendo coordenada pela Comissão de Geodiversidade, Recursos Hídricos, Minas, Gás, Energia e Saneamento, presidida pelo deputado estadual Sinésio Campos (PT). Segundo o deputado, as constantes altas no preço do gás de cozinha (GLP), vêm ocasionando graves transtornos a população amazonense, sobretudo às famílias de baixa renda da capital e do interior do estado.

“Essa Comissão trabalha juntamente com entidades públicas e civis, agentes econômicos ligados à produção, importação, distribuição, comercialização, consumo, regulação e fiscalização do gás natural e GLP (gás de cozinha), visando formular propostas e encaminhamentos para conter a escalada do preço do gás de cozinha no estado do Amazonas, visto que o botijão de 13 kg está sendo vendido na faixa de R$ 75 a R$ 90, enquanto em diversos municípios do interior, já atinge o patamar de R$ 100 a R$ 110, o que tem levado muita gente a compra do gás no cartão de crédito, parcelado, ou a queima de carvão ou lenha, por causa do alto preço”, disparou o deputado.

Outro tema também discutido pela Comissão Especial é a a exploração do serviço de gás natural canalizado. Os engenheiros da Agência Reguladora dos Serviços Públicos Concedidos do Amazonas (Arsam) já apresentaram um projeto, que trabalha em levar a utilização do gás natural canalizado (GNC), aos moradores do Residencial Viver Melhor 1, localizado no bairro Santa Etelvina, zona norte da capital, o projeto piloto criado para a implantação da rede, visa atender à população de baixa renda das duas etapas do Residencial Viver Melhor e de mais cinco conjuntos habitacionais de interesse social em seu entorno. “Esse projeto tem o objetivo de beneficiar mais de 50 mil pessoas daquela área, dando um opção ao cidadão que paga um alto preço pelo gás GLP (gás de cozinha)”, finalizou Sinésio.


Via: Assessoria do Deputado

Postagem Anterior Próxima Postagem